O Clube no programa “Porque Hoje é Sábado”

Dia 19 de Janeiro, quarta- feira. Dormimos muito bem e acordamos com energia redobrada. A tarde participamos do programa da TV o Povo, chamado “Porque hoje é Sábado”. O Programa realizado pela TV o Povo de Fortaleza é gravado em um estúdio montado no SESC, fruto de uma parceria muito bacana. Ficamos surpresos com a estrutura, que era excelente, a banda pôde se apresentar completa, bateria, guitarra, baixo, voz, num palco bem legal e com um suporte muito bom de toda a equipe do Programa.

Os apresentadores Grazy Costa e Fábio Monteiro foram super simpáticos, dividimos o palco com uma Escola de Samba aqui do Ceará, que tem parceria com a Mangueira do Rio de Janeiro e faz parte de um bloco de carnaval da cidade chamado Bons Amigos. A galera mandou muito bem e foi uma tarde fantástica, saímos de lá por volta das 18 horas depois de uma sequência de muita música e entrevista. O programa vai ao ar no próximo sábado dia 22 às 20 horas, e pode ser conferido pela internet também.

Essa participação foi maravilhosa para o Clube de Patifes, e somos muito grato ao Talles Lucena por todo esse cuidado conosco e pelo excelente apoio na divulgação. Para uma banda em circulação é fundamental uma agenda como a que fechamos aqui, com participação em Radio, TV, e vários shows. Sairemos de Fortaleza com a certeza que nosso trabalho e o nome da banda foi muito bem divulgado na cidade nesses dias.

Por Jo Capone

Viagem para Fortaleza

Logo pela manhã tentamos resolver o problema dos pneus, mas, fomos aconselhados a fazer isso em Fortaleza, nos ensinaram uma rota alternativa passando pelo município de Iguatu, economizaríamos 100 km. Nas nossas condições atuais de cansaço e preocupação em percorrer grandes distâncias, seria uma mão na roda (literalmente… rsrs), no entanto, encontramos a estrada em obras e, num pequeno trecho, sendo aberta por tratores. Com toda certeza daqui a uns seis meses se tornará um trajeto interessante, no mais, viagem tranquila.

Chegamos em Fortaleza por volta das 19:30h, ligamos para o nosso irmão Talles Lucena – Panela Rock/Full times Rockers (fantástica), que logo foi ao nosso encontro levando-nos para a sua casa onde nos alojou. Tomamos umas cervas, discutimos as potencialidades e viabilidade da produção de turnês como a que estamos realizando… – aqui cabe um imenso parêntese, foi o Talles que salvou nossa circulação garantindo com o Panela o preenchimento de cinco datas do nosso Giro, além de visitas a TV e Rádio locais, Valeu Talles! De quebra ainda assistimos o ensaio da Full Time Rockers no Studio do Panela Discos que fica na casa do Talles.

Por Jo Capone

Uma data caiu…

Os problemas com o carro pelos quais passamos e relatados em postagens anteriores nos fizeram tomar uma medida extrema, o cancelamento da nossa ida à Natal. A situação dos pneus ainda não foi resolvida, tentaremos resolver em Fortaleza, e teríamos que rodar mais de 606Km de Juazeiro para Natal e ainda aproximadamente 540Km de Natal para Fortaleza o que somaria neste caso algo em torno de 1146Km, levando em conta ainda que teremos uma viajem puxada de Fortaleza para Aracaju no dia 23 logo após nosso show no The Pub, 1124Km.

Acreditamos ter sido mais prudente da nossa parte o cancelamento/adiamento da nossa passagem por Natal. Fica aqui a nossa total disponibilidade para uma data à posteriori, nosso agradecimento e desculpas para Anderson Foca, que nos contactou e viabilizou a nossa passagem por Natal para gravação do programa Palco Radiofônico. Decidido isso, antecipamos nossa ida para Fortaleza onde passaremos a maior parte de nossa tour, serão 3 shows na cidade e mais participação em programa de rádio, gravação de Podcast e participação na TV O Povo.

Por Jo capone

Day off

Após o show no Porão Rock, e da confraternização, seguimos para o hotel, já passava das 5 h da manhã. A segunda-feira era nosso primeiro Day off da tour, depois de uma seqüência de 4 shows em 3 dias e muita, muita estrada mesmo. Descansamos bastante neste dia e a tarde saímos para conhecer um pouco mais da terra de “Padim Cícero”.

Juazeiro do Norte é uma cidade muito bacana, cerca de 250 mil habitantes, centro regional e com um comércio muito forte. A cidade é agitada e você encontra uma imagem de Padre Cícero ou referência a ele em todo lugar, é incrível como a presença dele é forte em toda a cidade. Um lugar legal de se visitar é o mercado de arte de Juazeiro, é como um shopping popular, com muito artesanato e também com muito material importado sendo vendido. Em Feira de Santana temos o Mercado de Arte e o Feiraguai, esse mercado de Juazeiro é a junção dos dois, mas com uma movimentação infinitamente maior. Andar por um lugar como este só nos deixa mais apaixonados pelo Nordeste e seu povo. Ô lugar para ter gente gentil! Outro lugar bacana é o Centro Cultural Banco do Nordeste, onde igualmente esta rolando o Festival Rock Cordel, lugar muito bonito também. Depois do passeio voltamos para o hotel e descansamos mais, pois no dia seguinte seguiríamos para Natal – RN.

Por Jo Capone

Show em Juazeiro do Norte

A viajem até Juazeiro do Norte sabíamos que seria complicada, pois não conhecíamos a estrada, apesar de todos terem dito que estava em bom estado de conservação, o que realmente constatamos. Por estarmos cansados e com o tempo de viajem limitado, optamos pelo bom senso e segurança, vencemos os 180km com tranquilidade, mesmo com todo o trecho da BR 116 não tem marcação alguma e nenhum tipo de sinalização, o que exige atenção redobrada.

Chegamos a Juazeiro do Norte às 00h30min e nossa apresentação estava marcada para 1:00h, nos informamos da localização e como chegar ao Teatro Marquise Branca, onde ocorreria o Show, que fica logo na entrada da cidade o que facilitou muito para nós. Assim que chegamos fomos muito bem recepcionados por Welson, produtor do Festival Porão Rock, o público presente muito bom, levando-se em conta que se tratava de um domingo, melhor dizendo, uma madrugada de segunda-feira. Quando entramos no espaço do Show estava no palco a banda Lavage, representando a fortíssima cena Rocker de Fortaleza, de Punk Rock, muito boa, muito boa mesmo. Como chegamos com certa folga, deu para relaxarmos um pouco, um pouco… Depois quem subiu ao palco foi a banda local Snofe, fizeram um show enérgico e preciso. Chegou a nossa vez, e fizemos uma apresentação explosiva, optamos por um repertório mais pesado composto principalmente por canções de nosso primeiro disco, sem dúvida alguma, uma das nossas melhores apresentações até agora.

Finalizada a noite seguimos com o produtor do Porão Rock para confraternizar, ao passo que também discutimos a possibilidade da cidade virar uma rota para bandas circulantes, de como seria estratégico estabelecer está parceira, com toda certeza Juazeiro do Norte encurtará distâncias. Deixo registrado a capacidade de organização, seriedade e profissionalismo de Welson, sempre atento e prestativo, o que garantiu um evento de muita qualidade e uma passagem/estadia tranquila e confortável em Juzeiro do Norte. O destino agora será Natal-RN.

Por Jo Capone

Show em Sousa – PB

A viajem até Sousa foi bastante tranquila, visto que a distancia era apenas 40km de onde estávamos e com estrada muito boa. Chegamos lá por volta do meio dia com as baterias carregadas, e apreensivos com a apresentação pois ao terminá-la teríamos que seguir de imediato para Juazeiro do Norte, que fica à 180Km de Sousa, para a segunda apresentação daquela noite. Para obtermos êxito teríamos que seguir a risca a nossa logística. A cidade é muito tranquila, cerca de 60 mil habitantes, e muito organizada pelo que vimos. Logo que chegamos rumamos para o Centro Cultural BNB, e assim que descemos do carro (lugar mais apertado do mundo!!!) encontramos o pessoal da Íbis e da Babi Jaques e os Sicilianos, que também estavam chegando naquele momento juntamente com o Osvaldo da ACRSPB(Associação Cultural do Rock do Sertão da Paraíba), conhecemos rapidamente a estrutura do Centro Cultural, que é realmente muito boa, e fomos todos almoçar, comida boa e todo o atendimento também. De lá seguimos às 14:00h para o hotel que estava reservado e no nosso aguardo, descansamos um pouco pois a passagem de som ocorreria por volta das 17:00h. Decidimos já ir para a passagem preparados para o show, com o figurino, para evitar, desta maneira, possíveis atraso no início da apresentação e o comprometimento do show de Juazeiro do Norte.

Logo quando chegamos na praça onde ocorreria o show, Osvaldo (que era o coordenador desse evento em Sousa também, fruto da parceria da ACRSP com o BNB) nos avisou que houve uma mudança na programação e só iria iniciar às 20:00h e não mais às 18:00h como havia sido acordado. Ficamos preocupados, mas conseguimos sensibilizar a produção para a nossa situação e exatamente às 19:00h o Clube de Patifes inicia o show. Porém, desta vez para um público diferenciado, eram crianças que brincavam na praça, senhoras e senhores em cadeiras, jovens desfilando… enfim, mas mais uma vez o Sertão da Paraíba foi surpreendente, mesmo sem o público tradicional das nossas noites, fomos maravilhados com aplausos e uma resposta mais que positiva. A banquinha mais uma vez bombou, e até o momento em que saímos Osvaldo informou ter vendido oito CD´s, o que julgamos admirável…

O projeto de colocar artístas independentes nas praças se apresentando nos coretos é muito bacana. Aqui no nordeste toda praça tem seu coreto e é algo que estava sendo abandonado e o CCBNB tem tido uma preocupação com isso e tem tirado as bandas do circuito do Rock Cordel dos palcos tradicionais e disponibilizado uma ótima estrutura para as bandas se apresentarem em praça pública para uma platéia diversa, isso é muito bom. Finalizamos nossa participação às 19h40min e de imediato arrumamos o material no carro e fomos jantar, às 21h15min, nos despedimos de Sousa e do surpreendente Sertão da Paraíba, vamos sentir saudades… E que venha Juazeiro do Norte!

Por Jo Capone

Show em Cajazeiras

Chegamos à cidade às 18h30min, Osvaldo já tinha nos instruído a ir direto para o local do show. Já na Art Chopperia, tinha uma galera arrumando o som, mais tarde descobrimos que se tratava da banda Babi Jaques e os Sicilianos. Fomos muito bem recebidos pelo proprietário da casa, Gilson, e por Diego, vice-presidente da Associação Cultural do Rock do Sertão da Paraíba e vocalista da banda Arlequim Rock Band.

Nosso show em Cajazeiras fazia parte da programação oficial do Festival Rock Cordel e nasceu de uma parceria da Associação Cultural do Rock do Sertão da Paraíba com o Banco do Nordeste. Essa parceria expandiu o festival por toda região, várias cidades ligadas a associação entraram no circuito e muita coisa legal tem rolado. Nesta noite 4 bandas se apresentariam, quando voltamos do hotel prontos para o show a primeira banda,vinda do Ceará, já tinha se apresentado, a banda Parabólicos. Pudemos ver o final da apresentação da segunda banda, a Ibis, vinda de Serrana no interior de São Paulo, o som do grupo é muito legal e conta com letras sobre futebol e o pior time do mundo, o Ibis. Logo em seguida veio a Babi Jaques e os Sicilianos, banda que tem circulado bastante desde o final do ano passado, e tem uma apresentação que é um verdadeiro espetáculo além de trazer um rótulo bem novo, o Cabaret Rock, muito legal o figurino e ótimas canções, definitivamente um show que vale a pena ver.

Nosso show começou por volta das 23 horas e, sem dúvida nenhuma, foi o show mais surpreendente até agora – estou mencionando o segundo show, mas já realizamos 4 apresentações. O bar Art Chopperia estava com um público muito bom, praticamente lotado e ávido pela nossa presença (outra surpresa). A maioria do público já conhecia o nosso trabalho e nos acompanham, à distância, desde o lançamento do nosso primeiro álbum “Do palco ao balcão”, de 2001. Bem, começamos o show com “Feira”, a galera extasiou a banda e contagiou o restante do público presente cantando praticamente todas as músicas do show, isso foi emocionante e deu um Up, um gás a mais para este nosso giro. É muito gratificante para uma banda que está em turnê de divulgação chegar numa cidade e ter uma recepção calorosa como esta, encontrar um público formado e que conhece todo nosso repertório, mesmo sem nunca antes termos feito nenhum show na mesma. Acredito ter sido este o motivo para o sucesso da vendagem da banquinha, disponibilizamos dez CD’s que esgotaram quase de imediato e vendemos mais doze, comprados diretamente com a banda. Fica essa dica para a Distro FDE, criar estratégias para que o material das bandas do Circuito cheguem nas cidades antes mesmo que as bandas, pois, percebemos que isso dá um grande suporte e garante o sucesso da circulação.

Terminada a noite, confraternizamos com a produção Rock Cordel, sinalizamos algumas questões referentes à estratégia de ampliação da abrangência da Associação Cultural Rock do Sertão da Paraíba e rumamos para o hotel, afinal, no dia seguinte nossa apresentação seria em Souza e depois Juazeiro do Norte. Baseados no que rolou em Cajazeiras, ficava a certeza de que a terceira noite prometia…

Por Jo Capone