Em Mossoró

Por Isis Maria Minera

Mossoró é pertinho de Natal, então, deu pra dormir bastante e dar um mergulinho antes do almoço e estrada. Neco, nosso motorista guia turístico falava um monte, mas ainda assim todo mundo dormiu, com Pet Shop Boys rolando no dvd. Chegamos a Mossoró e vimos que se A Obra é um inferninho, o Quintura é o infernão. Menorzinho e mais quente, um retangulo com palco bem de frente pra entrada e um estúdio atrás dele, bar ao lado direito da porta, paredes em parte pretas, pouco decoradas, com alguns desenhos. O dono, Rafão, é ex membro do coletivo Noise, de Natal, bem poderia ser chamado de Rafinha, é muito sorridente e tranquilo. Levou a gente pra comer depois, pra voltar pro bar mais perto da hora do show.

Ao contrário do que disseram, eu não senti tanto calor assim em Mossoró. Ao contrário do que disseram (2), não tivemos problemas no NE com 220 V. Sobre o calor, especialmente pra mim foi tranquilo, sinto frio demasiadamente, então, as temperaturas eram bem agradáveis na verdade. Mas uma coisa chamou a atenção: apesar de não aparente, o calor ali fazia a água que saia da torneira ser quente, como se fosse um chuveiro ligado.

De volta ao bar, vimos a Cemitério de Elephantes, também instrumental.

Na noite dos sem camisa, A Banda de Joseph Tourton tocou pra nós e mais alguns presentes, com Juan e Leandro cantando um dos refrões consagrados na viagem “En la van, vamos nos todos com Renè La Van…” e nesse momento bateu o princípio do fim. Aquela hora foi nossa, de cantar e rir de uma piada que ninguém mais presente ali naquele espaço entendeu ou riu, e mesmo que tivesse participado, ainda era nosso. Além do que, era aniversário de Leandro, então, além de tudo tinhamos essa pequena comemoração a fazer.

Na sequencia, Conejos fez seu show só com “inéditas”, a não ser  “Villazon”, que teve participação de Caio e Gabriel, num coro em outro refrão consagrado “Não, chileno não, não, chileno não”, no qual, outra vez, só nós entendemos e rimos, e muito, e foi bom demais.

Pós noite, fomos dormir. Viajaríamos muitos km até Fortaleza.

Matias Conejo, na noite onde todos tocaram sem camisa

Piada interna no Quintura Bar

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s