Caminho para Cajazeiras

A estrada para Cajazeiras é muito boa, BR 230, com um trecho até Campina Grande duplicado, e com uma paisagem do nosso sertão nordestino no mínimo inspiradora. Saímos de João Pessoa lá pelas 11 horas da manhã e na metade do caminho tivemos um problema com o carro, começou a trepidar muito, tivemos que parar em Santa Luzia, mas não conseguimos ninguém para tentar diagnosticar o problema. Reduzimos a velocidade e seguimos mais 18 Km até Patos, onde descobrimos que o problema estava nos pneus, perdemos 2. Aí vai nossa segunda dica, que aprendemos neste trecho, pneus importados não servem para rodar no nordeste, eles não resistem a altas temperaturas gerando vários problemas. Percalço sanado, continuamos a viagem para a segunda cidade de nosso giro.

Por Jo Capone

SHOW EM JOÃO PESSOA

O Espaço Mundo é um lugar bem legal, localizado no centro histórico de João Pessoa, numa praça bem bacana e à noite fica lotada. Chegamos no Espaço Mundo logo após o almoço, não sabíamos que la rola um restaurante durante o dia. Logo depois que chegamos, nos encontramos com Rayan Lins que iria viajar com Zefirina Bomba para Maceió. André chegou em seguida e de imediato começou a agilizar nossa hospedagem, entrando em contato com o coletivo. Depois nos apresentou Edson que nos levou para a casa de Luciana, onde fomos bem recebidos e podemos enfim descansar depois de longas 14 horas na estrada. Quando voltamos para o Espaço mundo a praça estava lotada, um projeto que acontece em João Pessoa, chamado Circuito das Praças. A praça do dia era, justamente essa, onde se localiza o Espaço Mundo. Evento gratuito com duas bandas, e que começou super atrasado prejudicado a nossa programação, a banda que faria abertura no Mundo, In the Mood, estava programada pra começar a meia noite mas só começou o show depois de 1 hora. A banda é sensacional, faz um rock setentista com um repertório regado de classicos e uma presença de palco muito bacana.

Aproximadamente às 2:30 da manhã iniciamos nossa apresentação com alguns problemas técnicos que foram sanados imediatamente. Era nosso primeiro show do ano, primeiro do giro. E aos poucos fomos nos ajustando no palco e o show rolou legal, infelizmente o público foi muito pequeno, apesar de lá fora já ter terminado o evento da praça e ter muita gente circulando no local. Acho que a produção pecou na divulgação do evento e na estratégia de formação de platéia, por exemplo, até 1 dia antes do show, não havia nenhuma nota no site do coletivo. E aí vai nossa observação, toda banda entra em circulação para divulgar o trabalho, uma grana alta e suada é investida, acho que a comunicação dos coletivos devem ter um cuidado maior na hora de divulgar o evento, sabemos das dificuldades de mobilizar um público, mas, potencializar os eventos não é só benéfico para a banda circulante mas também para o coletivo que se capitaliza mais e todo mundo sai ganhando. Uma divulgação incisiva acaba formando um público do coletivo e que irá acompanhar de perto todas as atividades ligadas a este a esta organização. É algo que gostaríamos de deixar registrado e visto de forma positiva. Nossa passagem por lá foi muito legal e esperamos voltar em breve. E falando em coisas legais, um ponto altíssimo da nossa estadia em João Pessoa foi o atendimento que nos foi dado, o Edson que nos acompanhou até a casa onde ficaríamos hospedado não nos deixou um segundo sequer enquanto estivemos na cidade, isso foi fantástico, ter alguém sempre junto da banda dando o suporte é algo fundamental e aprendemos muito com esse tratamento, para se ter uma ideia, Edson só nos deixou no dia seguinte, na saída da cidade já na BR que nos levaria para Cajazeiras, em nenhum momento em Jampa ficamos à deriva e acho que esse formato de trabalho do Mundo deve ser disseminado por toda a rede.

Caindo na estrada…

Nós fizemos nossa ultima reunião antes da viagem no dia 08 de Janeiro. Revisamos rota, Kilometragem e outros detalhes. Nossa primeira dificuldade era que o primeiro show da turnê começava a pouco mais de 900 Km, no dia 14 em João Pessoa. De início estava planejado viajar no mesmo dia do show, mas ponderamos melhor a distância e principalmente os trechos em recuperação na BR 101 e os trechos que estão sendo duplicados. Por conta disso antecipamos nossa saída para o dia 13 na quinta-feira. A ideia era parar em Maceió e no dia seguinte seguir pra João Pessoa, o Nando do Coletivo Popfuzz já tinha se predisposto a nos receber em sua casa, para esta primeira pausa. Mas acabamos atrasando a saída, quando passamos em Maceió já era de madrugada, decidimos seguir viajem. Em Pernambuco a estrada não esta 100%, muitos trechos em reformas e com desvios, em um desses na altura da cidade de Palmares, acabamos caindo numa estadual e só percebemos alguns kilômetros depois, fica a dica de quem passar nessa região para redobrar as atenções, já que não há sinalização alguma, e pelo visto esse processo de duplicação e recuperação vai levar muito tempo ainda. Em Palmares tivemos outro contratempo, atropelamos um cachorro, infelizmente não foi possível evitar o acidente e acabamos danificando o para choque do carro, que consertamos assim que chegamos em João Pessoa, uma despesa extra de R$ 55,00. Fora o incidente com o cachorro a viagem foi tranquila e chegamos em Jampa as 9 horas da manhã do dia 14. Passamos o restante da manhã conhecendo um pouco a cidade e almoçamos Meio dia em ponto. Estavamos chegando no Espaço Mundo quando conseguimos falar com André Antério, que não no s esperava naquele horário, falha nossa, não atualizamos ele com a antecipação da viagem e ele acabou tendo que mobilizar bem antes o coletivo para poder nos hospedar e para disponibilizar alguém do atendimento para nos acompanhar.

O LUGAR MAIS APERTADO DO MUNDO

Depois de muita reunião e busca por alternativas para a viagem, a decisão, iríamos pegar a estrada no carro de nosso vocalista, Pablues. Era a forma mais em conta para realizarmos a turnê. O carro é um Corsa preto, e depois de muita bagagem e todo nosso equipamento, descobrimos o “Lugar mais apertado do mundo”, tão apertado que não deu para tirarmos uma foto.

Por Jo Capone

Clube de Patifes Tour 2011

Referência musical de Feira de Santana e região há 12 anos, a banda Clube de Patifes (http://www.myspace.com/clubedepatifes) se apresenta em alguns estados do Nordeste a partir desta sexta-feira (14), levando na bagagem um blues-rock pincelado por ritmos como o forró e o baião. A turnê, que inclui os estados da Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Sergipe, é consequência do comprometimento com as ações da rede Fora do Eixo e da busca conjunta pela auto-gestão de um panorama independente expressivo.

As canções de Com um Pouco Mais de Alma, lançado oficialmente em 2010, os maiores sucessos do debut Do Palco ao Balcão (2001) e alguns covers compõem o repertório que o público nordestino vai conhecer. Para os que já viram de perto a energia de Pablues (vocal e gaita), Jo Capone (contrabaixo), Paulo de Tarso (bateria) e Stephen Ulrich (guitarra), surge mais uma oportunidade de curtir um espetáculo empolgante, seguro e entrosado. Uma proposta amadurecida e sempre aceita nos palcos de Feira, Vitória da Conquista, Camaçari e Salvador.

A cada acorde, a cada verso cantado, aumenta a identificação entre o Clube de Patifes e os ouvintes. Não causa espanto o fato de que o grupo tenha no currículo, além de trabalhos de estúdio com produção cuidadosa, uma série de shows importantes ao lado do Cascadura, Cordel do Fogo Encantado, Velhas Virgens, Matanza e Movidos a Álcool. Também não será surpresa se o Clube seguir o mesmo rumo desses eventuais companheiros de palco, tornando-se um expoente nacional divulgado e reconhecido. Méritos não faltam.

Por Ana Clara Teixeira

Finalizada a pós produção da Turnê Fora do Eixo de Falsos Conejos e A Banda de Joseph Tourton

Clipping, CompactoTEC e muita novidade no projeto que continuará em 2011

Por Isis Maria Minera

Depois de 34 cidades, 34 shows, 40 dias entrando e saindo de vans, estrada e cidades diferentes, a equipe da turnê #FalsosTOURtons termina a pós produção, reunindo os dados e informações sobre o trabalho realizado para divulgar.

 

Juank Conejo, Diogo Guedes, Caio Lemoine e Gabriel Izidoro, antes do show em Bragança Paulista

Com as informações do release oficial, os coletivos e produtores/realizadores locais fizeram um trabalho de assessoria que resultou no clipping, com mais de 160 links, entre reportagens em sites especializados, jornais locais, entrevistas em rádio e TV, vídeos, fotos, além dos veículos de cada coletivo, blog da turnê e das bandas que estavam circulando – Falsos Conejos e A Banda de Joseph Tourton. Percebe-se em alguns locais um grande trabalho de assessoria, a preocupação com a divulgação dessa que foi a maior turnê independente realizada no país.

Contabilizando-se todos os investimentos nessa turnê, a força de trabalho investida por agentes do Circuito Fora do Eixo, contabilizadas em Fora do Eixo Card (FDE$), teve valor superior (FDE$ 21.020,00) ao investimento em moeda corrente (R$ 18.383,84), mostrando a força da articulação e trabalho em rede dessa equipe, que você pode conferir aqui. O código aberto, representado pelo feedback passado pelas bandas e pelos coletivos, foi essencial para entender como melhorar as próximas turnês grandes.

O trabalho desenvolvido pós-turnê, foi recolher informações sobre os trabalho em cada local, em conversas com as bandas, que foram mostrando como se sentiram, o que acharam da experiência de tantos shows, apontando detalhes de tudo o que viveram, trazendo pra equipe de planejamento das Turnês FDE, dados muito importantes relacionados a atendimento, estrutura, rota, melhorando e antecipando qualquer problema que possa vir a ocorrer em próximas empreitadas. A equipe também criou um formulário para coleta de dados, para que os produtores possam detalhar como foi a passagem da Turnê pela sua cidade.

Gestão 2011

A partir de 2011, o projeto Turnês Fora do Eixo terá novos membros e uma nova configuração na equipe, dividida de forma a trabalhar cada área a ser desenvolvida para o andamento da mesma, visando a consolidação da marca ao longo do ano. Os desenvolvedores do projeto em 2011 serão Gabriel Cardoso e Rafael Barone no Planejamento/Mapeamento de Rotas, Dani Teixeira, Nando Magalhães e Joilson Santos com Sustentabilidade/ Negócios, João Lucas e Ney Hugo na Comunicação, Ciro Nunes com Logística e Atendimento e Gustavo Koshikumo na Sonorização.

Essa equipe irá trabalhar para estimular e fomentar as agências regionais, auxiliar a banda nas etapas de pré-produção que envolvem planejamento de produção, comunicação, transporte e rotas, mapear as informações da banda em questão para facilitar o atendimento local em cada cidade, e também realizando um acompanhamento do trabalh, sempre alerta para anteceder e solucionar qualquer eventual problema. Já existe uma agenda de Turnês prevista para 2011, dividida para abrigar grandes rotas: março/abril, maio/junho, julho/agosto, setembro/outubro, novembro/dezembro.

Para a comunicação, um novo site entra no ar, com notícias sobre as turnês em andamento, informações das passadas (textos, fotos, Compacto.TEC) e aberto pra outras matérias focadas em circulação funcionando como um portal de notícias e não só um diário de bordo.

O Festival Grito Rock 2011 será um primeiro laboratório dessa nova configuração, aproveitando as grandes possibilidades de circulação proporcionadas por este evento.

Confira mais um vídeo da viagem: passagem por Bauru, Paraíbuna, Uberaba e Patos de Minas. Edição: Juank Conejo.

 

Rendendo

Por Isis Maria Minera

Mesmo com os Conejos na Colômbia e o Tourton de volta a Recife, a turnê ainda tem gerado materiais. Pessoal do Rasgada Coletiva fez um vídeo sobre a passagem por lá, Peleja, de Patos de Minas mostra a festa de lançamento do Festival Marreco e Salvador mostra seus mais participativos dançarinos.